Agende seu atendimento

Sou médico, como devo contribuir para o INSS?

 

Atualmente, o Brasil conta com mais de meio milhão de médicos e médicas ativos no mercado de trabalho. Segundo estatísticas, a categoria trabalha em média por 40 anos (SCHEFFER, M. et al., Demografia Médica no Brasil 2020).

Para obter a melhor aposentadoria e outros benefícios previdenciários, estes profissionais precisam saber quais as modalidades de recolhimento ao INSS, determinadas conforme o seu vínculo como segurado obrigatório da Previdência Social. Vamos explicá-las a seguir.

O médico empregado

Profissionais da medicina que têm vínculo de emprego com clínicas e hospitais da iniciativa privada são regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e têm registro em Carteira de Trabalho (CTPS).

Neste caso, a retenção de suas contribuições previdenciárias é de responsabilidade do empregador, e incidem progressivamente no salário de contribuição do profissional, conforme modificações trazidas pela Emenda Constitucional 103/2019. Vejamos a tabela abaixo:

Salário de Contribuição (R$) Alíquota progressiva – Recolhimento ao INSS
Até 1.212,00 7,5%
De 1.212,01 até 2.427,35 9%
De 2.427,36 até 3.641,03 12%
De 3.641,04 até 7.087,22 14%

Vale ainda lembrar que, no caso do segurado empregado, o limite mínimo do salário de contribuição, caso haja, é o piso salarial da categoria.

O médico autônomo (profissional liberal)

Médicos autônomos podem prestar serviço a pessoas físicas ou a pessoas jurídicas. Nestes casos, são chamados de contribuintes individuais pelo INSS.

Na hipótese de prestação de serviço a pessoa jurídica, assim como acontece com o segurado empregado, a retenção da contribuição previdenciária também não é de responsabilidade do trabalhador. No caso do médico autônomo, será do tomador dos serviços, o qual fará o desconto do valor referente a 11% incidente sobre a remuneração e recolherá ao INSS.  

De outro modo, ao prestar serviço a pessoa física, deve o próprio médico fazer sua contribuição previdenciária, escolhendo o plano que deseja:

  • Plano Simplificado – contribuição de 11% sobre o valor do salário mínimo – modalidade que impede o direito à aposentadoria por tempo de contribuição e emissão de CTC para averbação de períodos em outros regimes de previdência. Neste caso, o valor da renda da aposentadoria e demais benefícios será de apenas 1 salário mínimo;  
  • Plano Normal – contribuição de 20% sobre a remuneração declarada. Atentar que o menor recolhimento não pode incidir sobre valor inferior ao salário mínimo, hipótese em que a contribuição não será validada pelo INSS.    

Nos dois casos acima (alíquotas de 11% e 20%), o pagamento deve ser feito sempre até o dia 15 do mês seguinte à competência que se deseja recolher. Por exemplo: a contribuição referente ao mês de agosto/2021 deve ser paga até 15/09/21, a não ser que este dia seja feriado ou final de semana, situação em que o vencimento será prorrogado para o dia útil seguinte.

O médico sócio de sociedades médicas

O médico sócio de sociedade médica, quando remunerado por pró-labore, terá a retenção de sua contribuição previdenciária feita pela própria empresa.  Como na grande maioria dos casos as sociedades optam pelo Simples Nacional, a alíquota do desconto é de 11%.

Recolhimento acima do teto e restituição de valores pela Receita Federal

É comum que os médicos exerçam sua profissão vinculados ou prestando serviços a mais de uma empresa ou pessoa física, e/ou que a soma das remunerações exceda o teto previdenciário (R$ 7.08722).

Neste caso, os valores recolhidos a maior devem ser restituídos pela Receita Federal.

Para requerer a restituição, o contribuinte ou a empresa deve acessar o programa PER/DCOMP (Pedido de Restituição, Ressarcimento ou Reembolso e Declaração de Compensação) do Governo Federal, no site gov.br.

Como podemos ver, há diversas formas de contribuir para a Previdência, por isso é muito importante que, ao longo de sua vida contributiva, o profissional verifique se os recolhimentos estão sendo feitos da maneira correta. Assim, no momento de requerer a sua aposentadoria, o processo será mais simples e as chances de êxito serão ainda maiores.

Gostou do texto? Então não deixe de ler os nossos outros artigos sobre direito previdenciário clicando aqui.

NOSSOS ESCRITÓRIOS

  • Rua Frederico Simões, nº 153, Ed. Empresarial Orlando Gomes, 13º andar Caminho das Árvores | Salvador/BA • CEP 41820 774
  • Rua Barão do Rio Branco, n 882, Centro Médico Augusto Freitas, sala 601 – 6º andar. Centro, Feira de Santana CEP 44001-535
  • Rua Santa Bernadete, n 18, Ed. Empresarial Empório, sala 16. Centro (ao lado do Colégio Polivalente), Camaçari CEP 42800-035
  • Avenida Nilton Oliveira Santos, n 122, 1º andar – Centro (em cima da Caixa Econômica e em frente ao INSS), Santaluz CEP: 48.880-000
  • Av. Dr. Nelson Leal, n 170, 1ª andar. Centro (em frente ao INSS), Livramento de Nossa Senhora – CEP 46140-000
  • Prefeitura Avançada da Orla, Box 08, Estrada do Coco, Abrantes, Camaçari/BA
  • Rua Dr. Alfredo, n 88, Centro, Conceição da Feira. (Ao lado dos Correios e da loja de Nil Bazar). CEP: 44320-000.
  • Praça Barão do Rio Branco, n 67, Loja 5. (na Galeria da Caixa Econômica Federal), Queimadas CEP: 48.860-000
  • Praça JJ Seabra, n 11, 1º andar, Sala 03, Centro, (Em cima da Distak Móveis e em frente ao mercado Lider), São Gonçalo CEP 44330-000.
  • Rua Mané Garrincha, s/n, Centro. Referência: Próximo a Igreja Católica e ao lado do Cartório de Registro Civis. CEP:48750-000.