Agende seu atendimento

O aposentado por invalidez pode corrigir o valor do seu benefício na Justiça

* Por Rodrigo Maciel – www.pz.adv.br

 

No caso específico das aposentadorias por incapacidade permanente, antiga aposentadoria por invalidez, que está muito em voga por conta das profundas e danosas alterações impostas pela última Reforma da Previdência, promovida pela Emenda Constitucional (EC) nº 103/2019, dois aspectos principais vêm provocando burburinhos e irresignações de muitos previdenciaristas e doutrinadores. Vamos a eles!

 

Queda de até 40% no coeficiente

O primeiro é que coeficiente utilizado no cálculo não é mais de 100% da média dos salários de contribuição.  O segundo é que o cálculo do coeficiente passou a  levar em conta o tempo de contribuição do segurado que deseja se aposentar por não estar apto ao trabalho permanentemente.

Antes da Reforma, até 12/11/2019, para cálculo da renda da aposentadoria por incapacidade permanente,  aplicava-se um percentual de 100%. O segurado então recebia exatamente o valor correspondente à média do que ele contribuiu, sendo justo tal cálculo, não obstante todos os questionamentos que ainda são feitos ao procedimento pericial federal.

Todavia, após a citada Reforma, o mencionado coeficiente passou a ser calculado considerando-se o tempo de contribuição do segurado, por exemplo:

 

  1. se o segurado possui 25 anos de tempo, o coeficiente aplicado à média será de 70%, pois se tem 60% como coeficiente básico para aqueles com tempo de contribuição até 20 anos, acrescido de 2% para cada ano suplementar, no caso, 05 anos X 2% = 10%, portanto, 60 % + 10%.
  2. Assim, concluí-se que se o aposentado não atingir o tempo mínimo de contribuição, o coeficiente da sua aposentadoria será de 60%, contabilizando-se uma perda de 40%.
  3. Por fim, vale dizer que o coeficiente da Aposentadoria por Invalidez, quando decorrente de acidente de trabalho, foi mantido em 100%, evidenciando-se um tratamento diferenciado,  que já vem sendo questionado na justiça.

 

Mudança no cálculo da média

Demais disso, a Reforma também  trouxe uma alteração no cálculo da média, agora, computam-se 100% dos salários de contribuição do período entre julho/1994 ao mês imediatamente anterior ao requerimento, conforme dita o Art. 26 da EC nº 103/2019, e não mais 80% dos salários de contribuição após o descarte dos 20% menores.

 

Como reverter na justiça?

Nesse contexto, várias demandas revisionais judiciais podem ser propostas visando afastar a redução do coeficiente (mantendo-o em 100%), assim como manter o cálculo da média como antes da reforma, são elas:

  1. Buscar reconhecimento judicial a partir de documentação médica probatória e avaliação pericial para comprovar que o início da incapacidade permanente ocorreu antes da promulgação da EC nº 103/2019, e, portanto, aplica-se a legislação da época;
  2. Se o benefício de aposentadoria fora concedido entre 13/11/2019 a 30/06/2020, pleitear a aplicação do Art. 36, § 7°, do Decreto 3.048/99 c/c com Súmula 557/STJ;
  3. Pleitear a Declaração de Inconstitucionalidade difusa do Art. 26, § 2º, inciso III, da EC nº 103/2019, este que impõe a aplicação do coeficiente de 60%;
  4. Analisar se a patologia incapacitante que ensejou o benefício de aposentadoria por incapacidade permanente não está relacionada ou a acidente de trabalho, ou a doença profissional ou do trabalho, pois nessas hipóteses a própria emenda constitucional indica que coeficiente será de 100% sobre a média, segundo o seu Art. 26, § 3º, inciso II.

Fique atento e sempre busque ajuda especializada de um advogado antes do pleito revisional, para que este possa analisar cuidadosamente seu direito. 

Siga o PZ aqui para mais dicas do mundo previdenciário!

*Rodrigo Maciel é advogado e sócio do Parish & Zenandro Advogados, escritório especializado em Direito Previdenciário, Cível, do Consumidor e Trabalhista, com sedes nas cidades baianas de Salvador, Feira de Santana, São Gonçalo dos Campos, Conceição da Feira, Abrantes, Camaçari, Santaluz, Queimadas, Retirolândia e Livramento de Nossa Senhora, bem assim com atendimento on line em todo o país. Coordena o Núcleo de Consultoria, Planejamento Previdenciário e Cálculos do PZ Advogados. Membro da Comissão de Direito Tributário-OAB/BA. Especialista em Direito Previdenciário e professor em diversos cursos para Concursos e de Graduação. Além disso, é administrador de empresas e foi servidor do INSS por quase 15 anos, onde também atuou como gerente da Agência Especializada em Demandas Judiciais do INSS/APSDJ. Acesse www.pz.adv.br

NOSSOS ESCRITÓRIOS

  • Rua Frederico Simões, nº 153, Ed. Empresarial Orlando Gomes, 13º andar Caminho das Árvores | Salvador/BA • CEP 41820 774
  • Rua Barão do Rio Branco, n 882, Centro Médico Augusto Freitas, sala 601 – 6º andar. Centro, Feira de Santana CEP 44001-535
  • Rua Santa Bernadete, n 18, Ed. Empresarial Empório, sala 16. Centro (ao lado do Colégio Polivalente), Camaçari CEP 42800-035
  • Avenida Nilton Oliveira Santos, n 122, 1º andar – Centro (em cima da Caixa Econômica e em frente ao INSS), Santaluz CEP: 48.880-000
  • Av. Dr. Nelson Leal, n 170, 1ª andar. Centro (em frente ao INSS), Livramento de Nossa Senhora – CEP 46140-000
  • Prefeitura Avançada da Orla, Box 08, Estrada do Coco, Abrantes, Camaçari/BA
  • Rua Dr. Alfredo, n 88, Centro, Conceição da Feira. (Ao lado dos Correios e da loja de Nil Bazar). CEP: 44320-000.
  • Praça Barão do Rio Branco, n 67, Loja 5. (na Galeria da Caixa Econômica Federal), Queimadas CEP: 48.860-000
  • Praça JJ Seabra, n 11, 1º andar, Sala 03, Centro, (Em cima da Distak Móveis e em frente ao mercado Lider), São Gonçalo CEP 44330-000.
  • Rua Mané Garrincha, s/n, Centro. Referência: Próximo a Igreja Católica e ao lado do Cartório de Registro Civis. CEP:48750-000.